8.8.11

Entenda os motivos para a queda das bolsas mundiais

Medo de crises locais se espalharem para outros mercados faz investidor vender ações

Nos últimos dias, as principais bolsas mundiais enfrentam momentos de incerteza e deixam praticamente todas as economias do planeta com o sinal amarelo aceso, ou seja, todo mundo está em alerta e com medo com a possibilidade de uma nova crise financeira atingir o sistema capitalista global.

Esse temor faz com que os investidores se livrem das ações, o que aumenta a oferta de papéis disponíveis para compra e provoca a queda da bolsa. Ao mesmo tempo, buscam investimentos mais seguros, como a compra de ouro, por exemplo, que continua supervalorizado no mercado mundial. Isso é comum em momentos de crise, já que os investidores querem segurança de suas aplicações, isto é, preferem dinheiro no bolso ao risco de perder grana.

O motivo para a queda generalizada das bolsas de valores é a desconfiança sobre o futuro das economias dos Estados Unidos e de alguns países da União Europeia – como Itália, Espanha, Grécia, Irlanda e Portugal.

Esses países enfrentam crises internas, principalmente por causa da dificuldade de arcar com o pagamento de gastos públicos - seja com o salário dos funcionários, seja com dívidas com fornecedores do próprio país ou ainda com débitos em aberto com empresas estrangeiras e com outras nações.

Os investidores mundiais estão de olho nas más notícias que vêm tanto da UE como dos EUA e, mesmo em economias emergentes, como o Brasil, ficam com um pé atrás na hora de aplicar na bolsa porque temem que essas turbulências respinguem em economias mundiais.

Vender e comprar ações nas bolsas mundiais é um negócio que envolve renda variável, que pode mudar todos os dias. Isso significa que, em um único dia, um investidor pode ganhar uma bolada com a valorização de um papel ou perder muita grana com a queda da cotação. Por isso, as bolsas funcionam como termômetros para o mercado em geral.

Por causa dessa relativa insegurança que as bolsas de valores oferecem aos investidores, os economistas sempre alertam que aplicar em ações é um risco, requer estilo arrojado e exige atenção redobrada com as notícias que vêm de todas as partes do mundo.

As ajudas financeiras geralmente agem como analgésicos e amenizam as quedas das bolsas mundiais. Em julho, Grécia recebeu um novo aporte de recursos no valor de a 110 bilhões de euros (R$ 246,9 bilhões) – o que aliviou o medo de a crise interna se alastrar para a União Europeia. No mesmo mês, a emitiu títulos públicos com juros altíssimos, um sintoma da chance do país não conseguir pagar suas dívidas.

No início de agosto, o Congresso americano aprovou o aumento do teto da dívida do país – o total que o governo pode dever para empresas do país, cidadãos americanos e governos e empresas de outros países – em US$ 2,1 trilhões. A notícia também amenizou o temor de que a principal economia do globo pudesse dar um calote generalizado.

Fonte: R7

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...