22.9.11

O papel da ONU no século XXI.

A ONU , organização criada em meio a grandes conflitos mundiais (I e II Guerras), veio substituir a falida Liga das Nações, instituição com propósitos semelhantes e que não conseguiu evitar a eclosão da II Guerra mundial.

Seus propósitos, desde o princípio eram os melhores, buscando atuar por um mundo sem violência, guerras, promovendo o progresso social e amplinado o nível de vida da população mundial.

Uma das primeiras obras foi a criação da Declaração Universal dos Direitos Humanos em 1948 e outras obras posteriores que buscavam impor o respeito e a dignidade a todos através de direitos fundamentais.

A ONU tem sua sede em Nova Iorque e possui atualmente 192 membros e uma estrutura organizacional bem complexa através de órgãos e agências como a Assembléia Geral, Conselho de Segurança, Unesco, FAO, OMS, Unicef, FMI, Banco Mundial e outros que buscam atar em diversas áreas como educação, trabalho, saúde, cultura, economia, segurança, etc...

O orgão considerado mais importante da ONU é o Conselho de Segurança, responsável em primeira instância pela manutenção da paz e da segurança internacionais. É constituido atualmente por 15 membros sendo 5 permanentes e com poder de veto, um voto negativo paralisa a ação do conselho (EUA, Rússia, França, Reino Unido e China) e 10 eleitos na Assembléia Geral de 2 em 2 anos (5 da África e Ásia, 2 da América Latina e 3 da Europa e outras partes do mundo). O Brasil ja foi eleito diversas vezes. Existe um projeto que busca o amento do número de membros permanentes do Conselho de Segurança a fim de que os interesses mundiais sejam melhor representados, inclusive com a possibilidade do Brasil ocupar uma destas cadeiras, porém, não possui o aval nem dos EUA e nem da Argentina que não aceita o Brasil como uma potência regional Sul-Americana.

Muito se discute na atualidade sobre a eficácia ou inutilidade da existência deste órgão (ONU). Alguns criticam o fato de a mesma não atuar de forma efetiva na resolução de conflitos, atuando meramente em campos de refugiados e levando ajuda humanitária aos flagelados das guerras, uma espécie de panos quentes para as feridas causadas pelos geopolíticos, enquanto outros, afirmam que a situação dos países em conflito poderiam ser bem piores sem esta atuação.

Sobre o FMI, este muitas vezes é uma forma de aumentar a dívida externa dos países subdesenvolvidos, com pagamentos exorbitantes de juros, uma ferramenta da manutenção do imperialismo no mundo multipolar por parte dos países ricos ( que desenvolvem tecnologia), causando a dependência em relação aos subdesenvolvidos.

Existe um desequilíbrio muito grande em se tratando de Conselho de Segurança, ao meu ver um verdadeiro clube de conveniências onde os 5 membros permanentes se apoiam para impor suas geopolíticas, a Rússia (e União Soviética) é a campeã no uso do veto ( 118 vezes) e os EUA o segundo (76 vezes), potências protagonistas da Guerra Fria, duas grandes potências mundiais em uma história não muito distante, onde o segundo utilizou este artifício na metade das vezes para bloquear resoluções de condenação a Israel (seu grande aliado no Oriente Médio).

Na atualidade, o Conselho de Segurança da ONU não foi capaz de impedir a invasão do Iraque e Afeganistão pelos EUA o que trouxe grandes flagelos e os ataques a Geórgia pela Rússia.

O Conselho de Segurança, o FMI, enfim, a ONU é uma arma geopolítica nas mãos das grandes potências que a manipulam e ampliam a violência e as desigualdades mundiais, enquanto um grupo seleto do clube possui vários benefícios o restante do mundo geme e vive como marionetes nas mãos perversas e sedentas por sangue. Enquanto uns possuem armas nucleares que poderiam explodir o mundo inteiro (EUA e Rússia) outros são fiscalizados e impedidos de as produzir.

Sobre a sua atuação na área social, em mais de 60 anos de existência e atuação da ONU o mundo a cada dia se torna mais desigual e o número de excluidos aumenta a cada ano. Enquanto as condições de vida nos paises ricos são boas para a maioria da população, nos paises pobres a situação é perversa, ratificando a lógica do sistema capitalista de produção, a internacionalização do capital amplia estas desigualdades através da exploração e nenhum compromisso social por parte do capital privado e o estatal que nos dias atuais se tornou um agente do grande capital.

Fica a pergunta, será que realmente esta instituição busca a paz, a cooperação entre os povos e a segurança mundial, onde os paises-membros trabalham em prol de uma vida cidadã, como era o seu propósito, ou é uma ferramenta para a manutenção do domínio e perversidade dos grupos hegemônicos, seja em termos bélicos ou econômicos?

Para quem enxerga o mundo atual com um olhar crítico a resposta é muito clara, mas para quem vive no mundo das fábulas produzido pela grande mídia a miopia social direciona para outros caminhos.

Ora, a ONU, precisa de uma reformulação urgente a fim de que possa representar de fato os intresses da maioria dos paises do globo, não sendo impotente diante dos problemas que assolam a maioria da população mundial a fim de que haja cooperação de fato e não continue sendo uma arma dos grupos hegemônicos mundiais. Com a atual estruturado sistema excludente que o mundo vive, é impossível falar de direitos humanos.

Uma grande reforma, ou melhor, uma revolução é necessária.

Luciano Costa

Um comentário:

Anônimo disse...

Concordo com o artigo. A ONU é uma instituição comandada pelos interesses das grandes potências, dos imperialistas.Na teoria é uma maravilha, mas na prática é totalmente diferente.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...