23.4.09

ALÉM DA PAREDE: Vereadores de JF questionam a criação do novo aterro sanitário

A polêmica sobre a criação do aterro sanitário em Dias Tavares pode complicar as relações entre Câmara e Prefeitura. Ontem, 12 dos 19 vereadores assinaram nota em protesto contra a gestão do lixo em Juiz de Fora. O estopim foi a convocação, feita pela Agenda JF, de uma reunião extraordinária, marcada para hoje, para "informar" o Conselho Municipal de Meio Ambiente (Comdema) sobre o novo aterro. Os vereadores consideraram que marcar a reunião para dois dias após o feriado soou como "uma tentativa de abortar a discussão". "Essa convocação foi equivocada. Há uma decisão judicial determinando que o Comdema seja ouvido, e não simplesmente 'informado'", criticou o vereador José Sóter Figueirôa (PMDB).

Além de cobrar o adiamento da reunião, a nota exige uma "perícia técnica" para dimensionar a capacidade operacional do atual aterro, que funciona no Salvaterra. A previsão era de que o local tivesse vida útil de 20 anos, o que será reduzido à metade com a criação da nova central de tratamento. O valor do contrato de R$ 250 milhões entre a PJF e a Vital Engenharia Ambiental também foi questionado. Alguns vereadores não descartaram a possibilidade de CPI caso os pontos não sejam esclarecidos. Esta hipótese, no entanto, é remota.

Na ausência do líder do Governo, Isauro Calais (PMN), o vereador Rodrigo Mattos, líder do PSDB, disse que não via razões para que a reunião com o Comdema fosse cancelada, mas sugeriu que a Câmara arque com os custos da vinda do engenheiro Clóvis Benvenuto, projetista do aterro do Salvaterra, à cidade para participar de audiência pública sobre o tema. Foi o próprio tucano quem também aventou a possibilidade de a Casa contratar auditoria para apurar as suspeitas envolvendo o novo contrato.

Fonte: Tribuna de Minas

_________________________

Uma licitação realizad ainda no governo fraudulento do ex-prefeito Alberto Bejani merece uma atenção por uma equipe técnica especializada e de uma CPI como ja foi proposto.

Querer apressar este processo e descartar este processo como faz o governo atual é o mesmo que ser conivente com as falcatruas e demonstrar a falta de compromisso com o dinheiro público.

Este é mais uma marca dos "sem dias" do governo tucano em JF.

Em breve teremos mais escândalos envolvendo o poder executivo nos noticiários nacionais visto que a polícia federal está de olho e a empresa ganhadora desta "licitação" está envolvida em outros crimes contra a esfera pública no país. É só esperar e ver.

Por outro lado, a maioria dos vereadores estão muito preocupados, ja que sabem que um escândalo como este mancharia ainda mais a imagem de uma câmara ja esfacelada.

Vamos ver no que isto vai dar, o certo é que é muito estranha a atitude do prefeito Custódio Mattos em não exigir uma CPI com a desculpa do contrato ter sido realizado no governo anterior visto que nada impede que seja realizada e seria o mais correto por se tratar de um governo fraudulento.

Luciano Costa

3 comentários:

Marcos Paulo disse...

Nossa, quanta sujeira. Não sou de JF, mas espero que um dia isto possa acabar ja que o cidadão contribuinte é o maior prejudicado.

Victor disse...

"Sem dias" de governo, infelizmente é isto que vejo em JF. Agora tem a questão do reajuste salarial também. A crise é desculpa para tudo. Cade o governo do Estado tão citado na campanha eleitoral que arcaria com tudo? Esse cara é um mentiroso e sm escrúpulos.

Anônimo disse...

e tudo está como antes, nada mudou na política de JF.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...