11.3.09

ALÉM DA PAREDE: EUA aprovam redução de restrições contra Cuba. É mesmo?

O senado dos EUA aprovou redução de restrições contra Cuba, no entanto, nada, ou quase nada muda da política externa perversa, apoiada em um bloqueio econômico de 50 anos que causou um "sucateamento" e racionamento em Cuba.

Sim, ao meu ver, ao contrário do que divulgam na grande mídia capitalista, não é o socialismo cubano um sistema falido, mas sim, um sistema que foi falido pela guerra ideológica e o bloqueio econômico contra a ilha.

Apesar de todas as sanções, todos os golpes financiados pelos EUA, tentativas de assassinato de Fidel, pressões e pagamento demercenários foram em vão.

O regime reestruturou a Cuba miserável, (Com favelas, tráfico de drogas, criminalidade, deficiências crônicas no sistema de saúde, fome, mortalidade infantil, etc..), algo típico dos países capitalistas subdesenvolvidos (atuais "colônias" econômicas do mundo desenvolvido), do ditador que governava antes de Fidel (Fulgêncio Batista), que ainda abrigava bordéis e cassinos, frequentados pelos milionários e fuzileiros navais norte-americanos.


A Revolução praticamente acabou com o analfabetismo do país, forma os melhores médicos e tem um excelente sistema de saúde e ensino e pouquíssima criminalidade e tráfico de drogas e erradicação da fome e está muito acima dos países latino-americanos no IDH. Como pode ser veementemente criticado por aqueles que se dizem "democráticos"?

A maioria da população cubana (um povo muito instruido, com uma educação de qualidade), apoia o sistema, é lógico que existem excessões e o sistema não é perfeito e possui várias restrições, como nenhum outro no planeta o é, nem mesmo o comunismo primitivo.

Normalmente a mídia mostra os casos de excessão, como os atletas que querem ganhar dinheiro com o esporte, já que, em Cuba, não existe esporte profissional, porém, as massacrantes mensagens de amor ao sistema não são mostradas.

Acho que a maioria absoluta que não está satisfeita com a revolução são os marajás e grandes proprietários cubanos que fugiram para Miami após terem seus bem expropriados pelo Estado a fim de distribuir para os que nada tinham.

Ora, as minúsculas mudanças anunciadas pelos EUA, em nada, ou quase nada afetaram a Ilha, ja que consistem basicamente em aumentar o limite de dinheiro que parentes cubanos podem enviar para a ilha e o aumento de dias que os norte-americanos podem passar na ilha.

As mudanças são, portanto, mais internas do que externas! E a mídia ainda elogia esta "concessão".

Deus queira que Cuba que está realizando algumas mudanças no sistema nos últimos meses não se torne
"DEMO-crática", como cogita Obama, o que significaria nada além de uma anexação da Ilha aos EUA como colônia de exploração, assim como ocorre na política externa dos países desenvolvidos em relação aos subdesenvolvidos, onde o grande exemplo próximo é o México, que empobreceu drasticamente após integrar o NAFTA, um acordo econômico entre o mesmo e os EUA.

Na verdade, quem precisa de mudanças são os países capitalistas, onde a maioria da população vive como estrume e uma crise gigantesca os assola devido a ganância e o acúmulo indiscriminado de capital, estes sim precisam de reforma e a população ser liberta da
tirania e ditadura do capital, do consumismo e degradação ambiental.

Você que vive no Brasil ou outro país subdesenvolvido, basta olhar ao seu redor, o que dispensa grandes análises.

A
Revolução Cubana ainda está entalada como espinho na garganta do império.

Luciano Costa


Postagem relacionada: Barack Obama e a periferia capitalista

Achei uma reportagem interessante na net sobre os sem-teto norte-americanos, vítimas de um sistema que não da nenhuma segurança ao cidadão e fiquei imaginando o que a mídia gorda diria se o acontecido fosse em Cuba Veja: Drama nas ruas americanas - Uma cidade de barracas

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...